Sindjus pede providências sobre descumprimentos de resoluções e irregularidades no retorno

Perto de ser encerrado o primeiro mês do retorno ao trabalho presencial, o sindicato permanece recebendo diariamente denúncias de irregularidades e descumprimentos de resoluções que impõem condições mínimas para o retorno mais seguro possível dos trabalhadores. Os relatos mais comuns são a falta de EPIs para todos, de aferição da temperatura corporal, de limpeza constante dos locais de trabalho e a não utilização de máscaras voluntariamente por magistrados e servidores. 

 

Representantes do sindicato já haviam alertado a Administração do Tribunal acerca destas preocupantes situações, mas a permanência delas reflete o despreparo de muitos gestores locais em fornecer o essencial para preservar a vida dos servidores que retornaram ao trabalho nos fóruns de todo o estado. Frente ao grande risco que correm seus representados, o Sindjus encaminhou novo ofício direcionado à Corregedoria Geral de Justiça relatando os diversos problemas e solicitando providências. 

 

A diretora Janete Togni relata que “solicitamos ao TJ que, nas comarcas onde não há mínimas condições de proteção aos colegas, exigidas pelo CNJ, TJ e autoridades sanitárias, seja determinado o retorno imediato ao SIDAU (Sistema Diferenciado de Atendimento de Urgência), mantendo todos em teletrabalho.” Relata também que foi encaminhada a pesquisa realizada pela entidade sindical com os Representantes de Comarcas, que apontou números preocupantes sobre as condições de trabalho no retorno. Togni informa que há nova reunião agendada com o comitê de combate ao Covid-19 do TJ na próxima semana.

 

Acesse o ofício na íntegra: Ofício nº 40 – CGJ questões pandemia