EM URUGUAIANA, SINDJUS DENUNCIA PRECARIZAÇÃO E CONGELAMENTO DE SALÁRIOS

    Dirigentes ocuparam tribuna livre para apresentar demandas dos trabalhadores da Justiça

    O congelamento dos salários e a extinção de cargos do quadro de servidores da Justiça são fatores de precarização e desvalorização profissional que prejudicam a prestação de serviço à sociedade. A denúncia foi feita nesta quinta-feira (11) na Câmara de Vereadores de Uruguaiana, onde diretores do Sindjus ocuparam o espaço na tribuna livre para apresentar as demandas dos trabalhadores do Judiciário. Na ocasião, os dirigentes pediram aos vereadores aprovação de moção de apoio à luta da categoria.

    A ação tem por objetivo sensibilizar a sociedade para a situação dos trabalhadores da Justiça e pressionar os parlamentares da base aliada do governo estadual para que destravem o andamento do PL 218/2017, que trata da reposição parcial das perdas inflacionárias dos servidores. O projeto tem parecer favorável do deputado Luiz Fernando Mainardi aguardando aprovação na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). A categoria também enfrenta ameaça de extinção dos cargos de Oficial Escrevente, que correspondem a mais da metade dos servidores na ativa. A medida é objeto do PL 93/2017, também em tramitação na CCJ.

    A ocupação da tribuna livre pelos representantes da categoria é um dos itens da agenda de lutas aprovada na última Assembleia Geral Extraordinária, realizada no dia 2 de julho. Os municípios escolhidos para a realização dessas atividades são estratégicos, conforme explica o diretor de comunicação do Sindjus, Emanuel Dall Bello: “Uruguaiana é o município de origem do deputado estadual Frederico Antunes, líder do governo na Assembleia Legislativa; na semana passada, estivemos em Pelotas, cidade do governador Eduardo Leite e do seu companheiro de partido, deputado e membro da CCJ, Luiz Henrique Vianna”. O governador Eduardo Leite tem maioria no Parlamento gaúcho, e é a reduzida bancada de oposição que tem feito a defesa das demandas dos servidores públicos na Casa. O desafio, sustentam os diretores do Sindjus, é conscientizar as bancadas da base governista para a situação dos trabalhadores do Judiciário, que lutam desde 2015 pela recomposição. “O governo trava nossas demandas e como precariza o serviço público estadual, nivela por baixo, vendendo a imagem do servidor do Judiciário como ‘privilegiado’, pelo fato de recebermos salário em dia, ignorando que os trabalhadores da Justiça do RS não têm plano de carreira e estão com salários congelados há cinco anos”, destaca o dirigente.

    A partir da próxima segunda-feira (15), data do começo do recesso do Legislativo, a direção do Sindjus fará visitas às comarcas do interior para dialogar com os servidores e dar início à construção de um possível movimento paredista. O momento exige demonstração de força total na luta, sustenta o coordenador do Sindjus, Fabiano Zalazar: “precisamos mais do que nunca de união e força da categoria na defesa de nossa justa e necessária valorização”.

    Confira matéria publicada no site da Câmara de Vereadores de Uruguaiana: http://uruguaiana.rs.leg.br/comunicacoes/noticias/sindijus-apresenta-reivindicacoes-ao-legislativo