Caminhada e Sarau marcam abertura do FSM em Porto Alegre

Nem mesmo ameaça de forte chuva em Porto Alegre desmotivou os participantes da marcha de abertura do Fórum Social Mundial Temático no fim da tarde desta terça-feira (26). A edição de 2022 na capital gaúcha trouxe dois eixos – Justiça e Democracia e Resistências – na preparação para o FSM no México, que ocorrerá entre os dias 1º e 6 de maio.

Ao som de tambores e instrumentos de sopro e percussão, a caminhada foi iniciada no Largo Glênio Peres em direção ao Largo Zumbi dos Palmares, pontos históricos de luta e resistência. A abertura do ato foi marcada por manifestações de representantes de entidades e movimentos sociais para denunciar a crise social e política do país, a ameaça conservadora no mundo e para destacar a urgência da união popular para barrar o autoritarismo e combater as desigualdades sociais. Centenas de pessoas participaram da marcha, de acordo com a organização do evento.

“Estamos aqui unidos para a construção de um outro mundo possível, que tenha como base um sistema de Justiça democrático, justo e igualitário”, apontou o diretor de Comunicação do Sindjus, Emanuel Dall’Bello, que também é o coordenador da Regional Sul da Fenajud. O Sindjus/RS é uma das entidades organizadoras do Fórum Social Mundial Justiça e Democracia (FSMJD)

Arte e resistência na luta por outro mundo

Após a caminhada, delegações de sindicatos dos servidores da Justiça estadual de outros estados foram recebidas em um sarau promovido pelo Sindjus/RS no Espaço Cultural 512, localizado na Cidade Baixa.

Após dois anos sem atividades presenciais em função da pandemia, o momento foi de reencontro, integração e confraternização dos trabalhadores, e contou com intervenções artísticas de música, poesia e depoimentos dos participantes. “Faz parte da nossa luta política a defesa da cultura e da construção de espaços de resistência cultural, fundamentais para construir alternativas para vencer o obscurantismo e para construir um mundo melhor”, enfatizou Dall’Bello.

O evento contou com a participação das delegações dos sindicatos dos trabalhadores da Justiça de diversos Estados, da vereadora de Porto Alegre Daiana Santos, além da presença da advogada, Marinete Silva, que é mãe de Marielle Franco, e transformou o luto em luta na busca por justiça, e participa com a ex-presidenta Dilma Rousseff do painel “Vítimas do Sistema de Justiça”, nesta quarta-feira (27/4), às 19h, no Auditório Dante Barone, na Assembleia Legislativa, além de outras atividades do FSMJD. Veja aqui a programação completa.

O Sarau contou com intervenções artísticas de Lico Silveira, Levanta Favela, Poetas Vivos e DJ Gê Powers, além do microfone aberto para apresentações do público que participava do evento. A noite contou também com histórias de resistência em diversos setores, como a luta do Espaço Cultural 512 e a da Cervejaria Sapatista na construção de um negócio com valores sociais. O tom do Sarau da Resistência foi de denúncia, mas também apontando a arte e a cultura como forma de enfrentamento para vencer o obscurantismo.

 

GALERIA DE FOTOS: