Brasil à deriva

O coronavírus fez adoecer o mundo inteiro e expôs de maneira inegável os grandes problemas globais. No Brasil, a pandemia já provocou efeitos devastadores em todas as áreas, agravados sobretudo pela ausência de um governo que possa conduzir o país de maneira sensata e responsável no enfrentamento à crise. 

Sem qualquer compromisso com a busca de respostas para as graves mazelas da sociedade brasileira, o presidente Jair Bolsonaro parece viver em uma realidade paralela. Proferindo absurdos diários, estabelecendo prioridades descabidas em detrimento da defesa da vida, manipulando agentes de governo em benefício próprio, obcecado pela perseguição a adversários e em guerra permanente contra servidores públicos, a imprensa, governadores, a ciência e o pensamento racional. Aliás, o desprezo pela ciência é hoje uma das grandes marcas da gestão bolsonarista. Ninguém no governo parece entender a dimensão da crise sanitária pela qual estamos passando ou, pior, sabem do tamanho do problema mas optam pela omissão.

O país, atual epicentro da pandemia, está há duas semanas sem ministro da saúde, a pasta que requer mais atenção no momento. No lugar de técnicos, militares que corroboram as teses infundadas do presidente da República que, há muito, já deixou claro que não tem nenhuma condição para exercer as atribuições do cargo que ora ocupa. Ministros igualmente despreparados e com atitudes incompatíveis com os cargos que ocupam. Em vez de agir de forma séria e conduzir a equipe de governo para enfrentar a pandemia com ações concretas, o presidente testa os limites da tensão institucional, desafiando Poderes e usando suas prerrogativas para tentar proteger a si e sua família em meio a um mar de denúncias de irregularidades, corrupção e fake news. E o resultado é trágico. Milhares de vidas perdidas, milhões de desesperados. Estamos à deriva. E numa tempestade sem prazo para terminar. 

Neste cenário trágico, é obrigação de todos que acreditam no Estado Democrático de Direito, pelo qual tanto já se lutou, estarem unidos na resistência contra o autoritarismo, um inimigo tão perigoso quanto o vírus que hoje assombra o mundo.  Não se trata de confronto ideológico. O que vemos é a barbárie vencendo a civilização e um caminho cada vez mais definido para uma ruptura democrática, na forma de um lamentável arremedo de governo que agora sequer finge algum respeito pelo papel das instituições em um regime republicano. O servidor público, o STF, o Congresso, não são os inimigos. Os inimigos são o fascismo e o autoritarismo! O momento exige que deixemos de lado todas as diferenças menores em prol da defesa da vida e da democracia. Não há dúvidas de que neste momento há somente um lado possível para estar: o da razão. O governo Bolsonaro hoje representa uma ameaça a tudo que defendemos e amamos e, por isso, precisa acabar. 

 

 Fora Guedes! Fora Bolsonaro!