Entidades representativas de servidores e magistrados subscrevem novo pedido de reconsideração ao TJRS

Na tarde desta quarta-feira (25), dirigentes do Sindjus, Ajuris, ASJ e Abojeris reuniram-se virtualmente para debater os graves problemas que já estão sendo enfrentados no âmbito da Justiça estadual, decorrentes do retorno precoce e sem as condições mínimas para dar segurança aos trabalhadores e população em geral. Na reunião, foram elencados diversos relatos de denúncias que têm chegado às entidades e que colocam as pessoas em grande risco. 

 

O diretor de imprensa e divulgação do Sindjus, Emanuel Dall’Bello, apresentou uma prévia da pesquisa sobre as condições de retorno, promovida pelo sindicato junto aos representantes de comarcas. De acordo como o diretor, “os números são assustadores”.  Dentre as comarcas pesquisadas, mais de 21% possuem casos confirmados entre servidores, mais de 42% não possuem EPIs para todos e mais de 65% não estão realizando a aferição da temperatura corporal. “E aqui falamos em condições mínimas”, reforçou Dall’Bello. O presidente da Abojeris, Sirlan Cruz, afirmou que “os oficiais de Justiça estão sendo lançados ao sacrifício, pois o TJRS permitiu aos magistrados que determinem o cumprimento até mesmo de mandados não urgentes, expondo milhares, se não milhões, ao risco de contágio.”

 

Por parte da Ajuris, foi apresentado parecer técnico de biossegurança, elaborado pela Dra. Claudia Bica, referência no tema, que questiona inúmeros pontos do plano de retomada das atividades presenciais elaborado pelo TJRS. O parecer, juntamente com o estudo estatístico elaborado pelo sindicato e já apresentado ao Tribunal, embasaram um ofício conjunto das entidades solicitando, novamente, a reconsideração sobre a retomada das atividades presenciais e da reabertura dos prédios da justiça. 

 

O coordenador geral do Sindjus, Fabiano Zalazar, afima que a unidade das entidades em relação ao tema demonstra que “todos acreditam que a Administração do TJ irá compreender a necessidade de reconsideração da decisão”. Entretanto, faz um alerta: “Se não houver o entendimento por parte do Tribunal de que a situação é extremamente crítica, inclusive pela inconstância do sistema de distanciamento (des)controlado do governo do estado, que a cada dia muda suas regras e cores de bandeiras, logo teremos que lamentar óbitos de colegas e seus familiares”.

 

Acesse abaixo a íntegra do ofício e dos estudos do sindicato e da Ajuris

Ofício entidades ao Presidente do TJRS 24 06 2020

AJURIS – Parecer Técnico de Biossegurança

Estudo Sindjus Covid 19