3º dia da greve é marcado pela abertura da mesa de negociação com a Administração do Tribunal

    O terceiro dia (26/9) do crescente movimento paredista deflagrado pela categoria dos servidores do judiciário gaúcho foi marcado por muitas atividades em todo o Estado, decisões polêmicas, importantes agendas e culminou na abertura da mesa de negociações com a Administração do Tribunal de Justiça. No início da tarde, foi emitido o Ofício Circular nº 76/2019, da Corregedoria Geral de Justiça, no qual a Corregedora Geral, Denise Oliveira Cezar, determinou que a efetividade dos servidores fosse registrada diariamente no sistema RHE, com o lançamento de falta não justificada para os servidores grevistas. Irresignados com a decisão exarada pela corregedora, a diretoria do Sindjus e sua assessoria jurídica solicitou uma reunião de caráter emergencial com a mesma e entregou requerimento de reconsideração da decisão, tendo em vista que a falta em decorrência da greve não pode ser considerada não justificada, conforme demonstra a jurisprudência majoritária dos tribunais superiores e do próprio TJRS. A corregedora comprometeu-se a analisar o requerimento e manifestar-se tão logo seja possível.

    Ainda na parte da tarde, diretores do Sindjus e seu assessor jurídico foram recebidos pela diretoria da Ajuris para esclarecerem sobre a pauta de reivindicações do movimento grevista e buscar apoio institucional nos pleitos, tendo em vista as diversas manifestações de apoio de magistrados de inúmeras comarcas. A diretoria da Ajuris, após o encerramento da reunião, encaminhou ofício à presidência do Tribunal de Justiça, solicitando à Administração a abertura da mesa de negociação com a direção sindical, e manifestando que é interesse dos magistrados que a prestação jurisdicional seja normalizada no Estado, que já sofre os impactos da greve.

    No final da tarde, a direção do Sindjus e da Abojeris foram contatadas pela Administração para uma importante reunião, que marcou a abertura da mesa de negociação. Estavam presentes o Diretor Geral do TJ, a Diretora do Digep, o Assessor de Assuntos Estratégicos e juízes corregedores. A reunião foi pautada pelas reivindicações da categoria, estabelecidas na Assembleia Geral que culminou no movimento paredista, e da dimensão deste em todo o Estado. Consideramos um importante passo que, no terceiro dia de greve, tenhamos conseguido iniciar um diálogo, que continuará nos próximos dias, no sentido do entendimento e da defesa das nossas pautas. Devemos aumentar nosso engajamento, seguindo firmes e fortes na nossa luta.

    A Direção – Sindjus RS